sexta-feira, 17 de março de 2017

“La Jeunesse de Blueberry” nº 14 “Le boucher de Cincinnati”

Capa, 2005. N. C.: Snake, “O açougueiro de Cincinnati”, e Blueberry. 


Página de apresentação. N. C.: Publicada a partir
do volume 10, “La Solution Pinkerton”, 1998.


Prancha 1. 


Prancha 2. 


Prancha 3. 


Prancha 15. 


Contracapa, 2005.

Ficha técnica

“Le boucher de Cincinnati”
“O Açougueiro de Cincinnati” (1)
Roteiro: François Corteggiani
Desenhos e capa: Michel Blanc-Dumont
Cores: Claudine Blanc-Dumont
Volume: 14
Ano de publicação: 2005 (a); 2009 (b) (2)
Número de pranchas: 46
Gênero: Western
Preço: 11,99 €
Formato: 22,5x29,5 cm
Público: Todos os públicos – Família
Dargaud Éditeur, Paris, França

Edição: a) Anotado “Primeira edição”. b) Collection Les indispensables de la BD. Assinalado Primeira edição em 2005.

Fonte: Dargaud Éditeur e Bedetheque.

N. C.:

1) Snake, “O Açougueiro de Cincinnati” (ou “O Carniceiro de Cincinnati”), lembra Jonah Rex. Jonah Woodson Hex é um personagem fictício de quadrinhos do gênero Western. Criado por John Albano e Tony DeZuniga, seus direitos pertencem a DC Comics. Ele apareceu pela primeira vez em “All-Star Western” #10, 1972. Jonah Woodson Hex é um pistoleiro caçador de recompensas. Do tipo anti-herói, sua face direita é assustadoramente deformada, o que o leva a se isolar do convívio das pessoas. Ele usa um uniforme dos soldados confederados, derrotados na Guerra Civil Americana, o quê o torna ainda uma figura desagradável aos vencedores da guerra, seus conterrâneos nortistas. Fonte: Wikipédia.

2) As capas e as contracapas das edições são idênticas, exceto pela inclusão do título Les indispensables de la BD naquela de 2009. As contracapas apresentam a relação de títulos publicados de “Blueberry”, “Marshal Blueberry”, “La Jeunesse de Blueberry” e “Hors collections” até então.

A capa, Les indispensables de la BD, 2009.


Verão de 1864, um homem é raptado pelos Confederados. Seu nome, Richard Gattling (1), engenheiro e, sobretudo, inventor da primeira verdadeira máquina de guerra industrial a célebre Gattling, ancestral de todas as metralhadoras modernas. O jovem tenente Blueberry vai, portanto, se lançar à sua procura a fim de evitar que os Sulistas possam desenvolver essa arma infernal, mas bem real que poderia mudar o destino dos Estados Unidos.

A partir de fatos e de personagens reais, François Corteggiani constrói um incrível roteiro magnificamente colocado em imagem por um Michel Blanc-Dumont no ápice de sua arte. Muito da grande aventura para esse novo díptico. Essa aventura é o primeiro volume de uma história em dois álbuns que conduzirá Blueberry ao México sobre a pista de Gatling. Traições, golpes desferidos, combates e perseguições vão ao vosso encontro nos cenários suntuosos devidos ao imenso Blanc-Dumont.

“A Juventude de Blueberry” prossegue, cheia de reviravoltas, na grande tradição dos grandes folhetins da literatura popular.

Fonte: Dargaud Éditeur.


N. C.: 1) Richard Jordan Gatling (12 de setembro de 1818 – 26 de fevereiro de 1903). Inventor americano conhecido por sua invenção da Gatling, uma arma multicilindro operada por manivela, a qual ele patenteou em 1862. Fonte: Global Britannica.


O quadrinho 1 da prancha 1.


O desenho original da capa.


A série “Blueberry” foi criada por Jean-Michel Charlier e Jean Giraud.

Fonte das imagens: Bedetheque: capa, prancha 15 e contracapa, 2005; capa, 2009. BDfugue: pranchas 1, 2 e 3. Michel Blanc-Dumont: o quadrinho 1 da prancha 1; o desenho original da capa.

La Jeunesse de Blueberry nº 14 Le boucher de Cincinnati © François Corteggiani, Michel Blanc-Dumont, Dargaud Éditeur 2005, 2009

Afrânio Braga


quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Os autores de Blueberry

Os autores de Blueberry

Jean-Michel Charlier 
Jean Giraud

William Vance 
Michel Rouge






Colin Wilson 
François Corteggiani 








Michel Blanc-Dumont















Blueberry por Jean Giraud (a)

Blueberry

Jean-Michel Charlier (roteiro) e Jean Giraud (desenhos)
Fort Navajo (1)
Tonnerre à l’Ouest (2)
L’Aigle solitaire
Le Cavalier perdu (3)
La Piste des Navajos
L’Homme à l’étoile d’argent
Le Cheval de fer
L’Homme au poing d’acier
La Piste des Sioux
Général “Tête Jaune”
La Mine de l’Allemand perdu
Le Spectre aux balles d’or
Chihuahua Pearl
L’Homme qui valait 500 000 $
Ballade pour un cercueil
Le Hors-la-loi
Angel Face (4)
Nez Cassé (5)
La Longue Marche (6)
La Tribu fantôme
La Dernière carte
Le Bout de la piste
Arizona Love (7)
Mister Blueberry (8)
Ombres sur Tombstone (8)
Geronimo l’Apache (8)
OK Corral (8)
Dust (8)
L’Intégrale (9)


Blueberry por William Vance (b)

Marshal Blueberry

Jean Giraud (roteiro) e William Vance (desenhos)
Sur ordre de Washington
Mission Sherman

Jean Giraud (roteiro) e Michel Rouge (desenhos)
Frontière sanglante


Blueberry por Michel Blanc-Dumont (c)

La Jeunesse de Blueberry

Jean-Michel Charlier (roteiro) e Jean Giraud (desenhos)
La Jeunesse de Blueberry
Un Yankee nomée Blueberry
Cavalier bleu

Jean-Michel Charlier (roteiro) e Colin Wilson (desenhos)
Les Démons du Missouri
Terreur sur le Kansas
Le Raid infernal (10)

François Corteggiani (roteiro) e Colin Wilson (desenhos)
La Poursuite impitoyable
Trois hommes pour Atlanta
Le Prix du sang

François Corteggiani (roteiro) e Michel Blanc-Dumont (desenhos)
La Solution Pinkerton
La Piste des maudits
Dernier train pour Washington
Il faut tuer Lincoln
Le Boucher de Cincinnati
La Sirène de Veracruz
100 Dollars pour mourir
Le Sentier des larmes
1276 âmes
Rédemption
Gettysburg
Le Convoi des bannis


Hors Collections

Jean-Michel Charlier (roteiro) e Jean Giraud (desenhos)
Les Monts de la Superstition (11)

Jean Giraud (roteiro e desenhos)
Apaches (12)
Mister Blueberry (noir et blanc) (13)
Ombres sur Tombstone (noir et blanc) (13)
Geronimo l’Apache (noir et blanc) (13)
OK Corral (noir et blanc) (13)

Fonte: Dargaud Éditeur, Paris, França.

N. C.:

“Blueberry”: 1) “Fort Navajo”: capa de Jijé (Joseph Gillain). 2) “Tonnere à l’Ouest”: Jijé auxiliou Jean Giraud nos desenhos. 3) “Le Cavalier perdu”: Jijé desenhou as pranchas 18 a 38. 4) “Angel Face”: Jean Giraud escreveu 10 pranchas. 5) “Nez Cassé”: Jean Giraud incluiu a prancha 21, aumentando a sequência da luta de Tsi-Na-Pah (Blueberry) com a águia. 6) “La Longue Marche”: Michel Rouge auxiliou Jean Giraud na arte-final. 7) “Arizona Love”: com o falecimento de Jean-Michel Charlier, o roteiro foi alterado e terminado por Jean Giraud. 8) Roteiro e desenhos de Jean Giraud. 9) L’Intégrale: coleção integral da série “Blueberry” em 10 volumes (5 publicados e 5 a publicar).
“La Jeunesse de Blueberry”: 10) “Le Raid infernal”: com o falecimento de Jean-Michel Charlier, o roteiro foi terminado por François Corteggiani.
“Hors Collections”: 11) “Les Monts de la Superstition”, díptico do ciclo de Prosit Luckner. O ouro da Sierra – “La Mine de l’Allemandu perdu” e “Le Spectre aux balles d’or”. 12) “Apaches”: reescrita feita a partir das páginas publicadas nos álbuns "Mister Blueberry", "Ombres sur Tombstone", "Geronimo l’Apache", "OK Corral", e "Dust", do primeiro encontro de Blueberry com Gerônimo, incluindo numerosas páginas, imagens e textos completamente inéditos. 13) Noir et blanc: álbuns em preto e branco e em grande formato (30x40 cm).


Fontes das imagens: Dargaud Éditeur: Jean-Michel Charlier, Jean Giraud, Michel Rouge, Colin Wilson, François Corteggiani, Michel Blanc-Dumont. Le Lombard: William Vance. Bedetheque: N. C.: a) Blueberry por Jean Giraud: desenho publicado na contracapa dos álbuns da série “Blueberry” (“Blueberry”) a partir de “Mister Blueberry”, volume 24, 1995. b) Blueberry por William Vance: desenho publicado na contracapa dos três álbuns da série “Marshal Blueberry” (“Marshal Blueberry”). c) Blueberry por Michel Blanc-Dumont: desenho publicado na contracapa dos álbuns da série “La Jeunesse de Blueberry” (“A Juventude de Blueberry”), a partir do volume 10, 1998.


A série “Blueberry” foi criada por Jean-Michel Charlier e Jean Giraud.

© Dargaud Éditeur 2017

Afrânio Braga

domingo, 5 de fevereiro de 2017

“La Jeunesse de Blueberry”, as últimas histórias

“La Jeunesse de Blueberry”, as últimas histórias 




Após o ciclo de “La Jeunesse de Blueberry” em quatro volumes, desenhado por Michel Blanc-Dumont, se inicia uma sequência de histórias em dois volumes, com textos sempre de François Corteggiani, onde ainda uma vez Allan Pinkerton se revela a figura chave da série por conceber planos que garantem a supremacia da União.




No segundo ciclo, de fato, Pinkerton ordena a Mike e aos seus dois companheiros, o sargento Grayson e Homer, de ir recuperar Richard Jordan Gatlin, o inventor da metralhadora que dele recebe o nome, feito prisioneiro dos Confederados para obrigá-lo a inventar novos tipos de armas para o Sul.




Com o trio está também o agente secreto William Baumhoffer, fiel a Pinkerton, um personagem doravante recorrente, que parece superar Mike nas decisões a tomar e em ajudá-lo nos momentos de necessidade. Os autores parecem querer quase reduzir Mike a uma coadjuvante.




A ideia de fazer transitar os protagonistas no México, invadido pelo exército francês guiado pelo arquiduque Maximilien, enviado por Napoleão III para conquistar um império na América Latina, é válida. E, de fato, Mike se encontra com um destacamento do exército invasor.

Entre os raptores de Gatling destaca-se Snake, um pistoleiro sulista sem escrúpulos e piedade.




Há também a bela mexicana, Soledad San Miguel, que alguns anos após os acontecimentos narrados dará à luz um menino de nome Doroteo Arango, mais conhecido como Pancho Villa, o qual, como Corteggiani se precavera de advertir os leitores em uma vinheta, encontrará muito tempo depois um Blueberry envelhecido, para reunir-se no terceiro episódio da série “Les Gringos” escrita por Jean-Michel Charlier.



14. “Le Boucher de Cincinnati” (Dargaud, 2005)

Il macellaio di Cincinnati
Volume Alessandro Editore, 2005
“Skorpio” do nº 23 ao nº 26 de 2014, Editoriale Aurea
“Collana Western” 23, Gazzetta dello Sport, 2015



15. “La Sirène de Veracruz (Dargaud, 2006)

La sirena di Veracruz
Volume Alessandro Editore, 2006
“Skorpio” do nº 27 ao nº 30 de 2014, Editoriale Aurea
“Collana Western” 24, Gazzetta dello Sport, 2015






O terceiro ciclo torna a trazer Mike e os leitores no auge da guerra civil, com cenas de batalha, entre Norte e Sul, bem realizadas. A narrativa, dessa vez, versa sobre as origens indígenas do sargento Grayson e sobre um trem carregado de ouro proveniente das sucursais londrina e parisiense do banco Rothschild. Na narrativa entram em jogo também o presidente Lincoln e o fim inglorioso da Nação Cherokee.





16. “100 dollars pour mourir” (Dargaud, 2007)

“100 dollari per morire”
Volume Alessandro Editore, 2007
“Skorpio” do nº 31 ao nº 33 de 2014, Editoriale Aurea
“Collana Western” 24, Gazzetta dello Sport, 2015



17. “Le Sentier des larmes” (Dargaud, 2008)

“Il sentiero delle lacrime”
Volume Alessandro Editore, 2009
“Skorpio” do nº 34 ao nº 36 de 2014, Editoriale Aurea
“Collana Western” 25, Gazzetta dello Sport, 2015






O quarto ciclo vê sempre Pinkerton puxar a fila de uma tarefa para salvar a sombrinha do general Sheridan raptada pelos sulistas. O agente Baumhoffer e Mike são encarregados do resgate. No curso da narrativa encontramos um jovem general Custer. 





18. “1276 âmes” (Dargaud, 2009)

“1276 anime”
Volume Alessandro Editore, 2009
“Skorpio” do nº 37 ao nº 40 de 2014, Editoriale Aurea
“Collana Western” 25, Gazzetta dello Sport, 2015



19. “Redemption” (Dargaud, 2010)

“Redenzione”
Volume Alessandro Editore, 2010
“Skorpio” do nº 41 ao nº 44 de 2014, Editoriale Aurea
“Collana Western” 26, Gazzetta dello Sport, 2015






O último volume (por ora) é articulado sobre a batalha de Gettysburg, em cuja Mike, mais uma vez, parece uma folha ao vento que esvoaça de um campo a outro com uma sorte descarada. As pranchas de Blanc-Dumont sobre as cenas de guerra são de manual. A capa é uma reinterpretação daquela do primeiro volume de Giraud sobre a Jeunesse.



20. “Gettysburg” (Dargaud, 2012)

“Gettysburg”
Volume Alessandro Editore, 2012
“Skorpio” do nº 37 ao nº 40 de 2014, Editoriale Aurea
“Collana Western” 26, Gazzetta dello Sport, 2015



Em nossa opinião, Corteggiani teria podido tranquilamente reduzir a extensão dos ciclos porque Blanc-Dumont tem utilizado grandes vinhetas sobre três tiras por páginas, com muitas cenas mudas que dilatam a ação; felizmente a arte do desenhista supre essa “artimanha”.




Em uma das tantas entrevistas, Blanc-Dumont responde assim à pergunta sobre Blueberry e Jonathan Cartland, personagens tão opostos:

À época, em cuja Laurence Harlé e eu temos criado Cartland, tínhamos um verdadeiro desejo de contar uma história próxima aos temas de “Mais Forte que a Vingança” ou “Pequeno Grande Homem”. Enquanto Gir tem iniciado nos anos Sessenta em plena idade de ouro do western. É essa diferença de cultura que tem determinado as nossas diferenças. Às referências cinematográficas, bibliográficas e iconográficas se acrescentavam as preocupações do fim dos anos Setenta: a guerra, a ecologia, a incompreensão racial e o choque das culturas. Mas o western no cinema é sempre o reflexo da época em cuja é filmado. Não é um acaso que “Pequeno Grande Homem” foi filmado durante a Guerra do Vietnam.




Rebatemos a sutil desilusão para como foi realizada a sequência de um personagem ícone da HQ francesa, mesmo se não era fácil recolher a herança de Charlier e Giraud. Desejamos que no futuro sejam escolhidos autores (Boucq, Rouge, Jodorowsky, por exemplo) que saibam dar um (re) choque ao nosso Mirtilo favorito.




Fonte: Blog Zona Bédé, Itália.

N. C.: Em 4 de dezembro de 2015, a editora Dargaud publicou “Le Convoi des bannis”, o volume 21 da série “La Jeunesse de Blueberry”, com roteiro de François Corteggiani e desenhos de Michel Blanc-Dumont.

La giovinezza di Blueberry, le ultime storie © Zona Bedé 2015

A série “Blueberry” foi criada por Jean-Michel Charlier e Jean Giraud.

La Jeunesse de Blueberry © François Corteggiani / Michel Blanc-Dumont - Dargaud Éditeur

Afrânio Braga